Pets e a alergia nas crianças

Eu quando criança sempre fui fissurado em animais: cachorros, tartarugas e lagartos, larva de besouro e até barata já foram meus bichos de estimação. Será que estamos comprometendo a saúde das crianças colocando animais em casa?

Há mais de 9.000 anos convivemos com os cachorros e evoluímos juntos. Até hoje temos dúvidas da relação riscos/benefícios do melhor amigo do homem. Vários fatores confundem até os estudos mais bem desenhados. Cães ou gatos? Qual raça? Quais são os cuidados com o bicho? Números de bichos em casa? Número de moradores? Cada casa é um exemplo de mil variáveis para um estudo com consistência.

Em grande parte dos estudos a exposição precoce na infância aos bichanos foi um fator de proteção contra sensibilização aos aeroalérgenos, ou seja, expor a criança cedo aos bichanos ajudaria a não ter sensibilidade mais pra frente na vida.

Alguns outros estudos sugerem exatamente o oposto, uma maior taxa de alergia aos expostos.  De 9 revisões de literatura analisadas, 6 mostraram que a exposição perinatal, ou seja, pouco após a chegada da criança no mundo, protegem a criança contra doenças alérgicas mais para frente. 2 estudos mostraram que nas famílias com forte história de atopias ou alergias, o risco aumentou com a exposição aos bichanos.  Em um outro estudo comparando crianças rurais e urbanas mostrou que a exposição aos animais na infância diminui o risco de rinite alérgica em 20%.

Em um cabo de guerra de observações positivas ou negativas, até agora não há evidências de que evitar os animais de estimação na infância diminua ou impeça o desenvolvimento de rinite alérgica ou a sensibilização a aeroalérgenos mais tarde na vida.  

O que ficou claro neste levantamento foi que a sensibilização depende muito dos fatores individuais de cada um.  Um fato novo que iremos aprofundar em breve é que a exposição aos animais modifica nossa flora bacteriana. Nas crianças isso pode modificar o desenvolvimento do seu sistema imune e inclusive ajudar na maturidade deste sistema, o que pode ser o fator que em muitos casos contribui para uma melhor proteção contra alergias.  

Talvez algumas crianças que não conseguem ter este efeito benéfico acabam estimulando mais seu sistema imune e pioram da alergia.

Tudo leva a crer que a exposição inicial a animais de estimação pode induzir tolerância imunológica e reduzir a chance de desenvolvimento de doenças alérgicas em alguns casos. Este efeito protetor parece ser mais forte em famílias não alérgicas com exposição de cães na primeira infância.

 

Sugestões:

1) Pense em adotar seu cãozinho

2) Os benefícios de educar, alimentar e criar um cão ensina as crianças a ter um breve senso de responsabilidade

3) Converse com o pediatra do seu filho

4) Famílias muito alérgicas tenham muito cuidado, pesquisem e testem o convívio com outro cão de alguém antes de adotar ou comprar um

5) As observações sobre alergias sugerem que retirar todos os desencadeadores nem sempre é uma boa estratégia

6) Ainda esperamos maior controle e entendimento do nosso sistema imune e reações alérgicas na infância

7) Os benefícios de um bichano para uma criança urbana podem ir muito além do que imaginamos aos alérgicos, sugiro cuidado, regras e estratégias para não impedir um convívio com os animais

8) Teste na sua família o que acontece e observe, pois ainda não existe um consenso neste tema

9) Duvide de qualquer regra, nada melhor que sua experiência pessoal.

 

Curr Opin Allergy Clin Immunol. 2003 Dec;3(6):517-22.

Does exposure to dogs and cats in the first year of life influence the development of allergic sensitization?

Ownby DR1

Curr Opin Allergy Clin Immunol. 2003 Feb;3(1):7-14.

Early pet exposure: friend or foe?

F1000Res. 2016 Jan 27;5. pii: F1000 Faculty Rev-108. doi: 10.12688/f1000research.7044.1. eCollection 2016.

Recent Understandings of Pet Allergies.

Ownby D1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *