Olhos azuis, corpo sarado ou qualidade do esperma?

Tempo estimado de leitura: 3 minutos.

Uma mulher escolhe um homem baseada em características instintivas que vêm como um feeling (a forma como ela se sente ao olhar para ele pela primeira vez). O segundo degrau é através do contato físico e assim por diante. Durante essas fases há também um outro lado que é racional, ou seja, que opina e decide. Às vezes uma pessoa que te atrai muito fisicamente, deixa de ser interessante quando te contam sobre um vício ou atitude desgostosa dessa pessoa.

Muito do que achamos atraente ou não, são características totalmente estéticas, isto é, ornamentos que usamos exclusivamente para atrair e nada mais; talvez seria o caso de um vestido bonito. Outras características além da beleza nos trazem também uma mensagem, como uma pele bonita nos induz a acreditar que aquele ser é saudável.

O mais inteligente, talvez fosse uma fêmea escolher um macho pela sua capacidade de deixar bons genes e se dedicar à educação e formação dos filhos. Um DNA perfeito, com um macho infértil é um tiro no pé. A fertilidade é de certa forma um sinal de evolução e outro critério para decidir se vale ou não se aventurar.

Quanto mais fértil, provavelmente mais adaptado estaria um indivíduo – mais vitorioso. A qualidade do esperma é um índice de que aquele macho é fértil e deve deixar seus genes. Este talvez seria um bom “termômetro” de seleção feminina na escolha de quem se relacionar.

Mas quais são os hábitos que nos indicam um bom esperma? Fatores de estilo de vida como: tabagismo, consumo de álcool, uso de drogas ilícitas, obesidade, estresse psicológico, dieta e ingestão de cafeína. Os efeitos adversos desses fatores podem até se intensificar de uma geração para a outra. No entanto, seus efeitos negativos podem ser superados em grande parte pela modificação de comportamento e melhores escolhas de estilo de vida. Assim o impacto nocivo desses fatores sobre o potencial reprodutivo masculino pode ser aliviado e resultar então em um desfecho mais favorável.

O CAFÉ 
A ingestão de cafeína pode prejudicar a função reprodutiva masculina, possivelmente através de danos no DNA do esperma. Em testes de laboratório, o consumo de café durante a gestação e a lactação prejudicou o desenvolvimento gonadal e pareceu exercer efeitos prejudiciais permanentes sobre o potencial reprodutivo de ratos. Porém, com base nos dados disponíveis atualmente, não existe uma relação potencial firme entre a ingestão de cafeína e a infertilidade masculina humana.

DIETA
Uma recente revisão sistemática exaustiva de estudos concluiu que a ingestão de uma dieta saudável e balanceada poderia melhorar a qualidade do sêmen e as taxas de fecundidade entre os homens. Para começar, a prática de substituir carnes vermelhas processadas por peixes pode ter um impacto positivo na contagem e morfologia dos espermatozóides.

IDADE
A análise dos parâmetros do sêmen de homens saudáveis ​​em uma ampla faixa etária (22 a 80 anos) mostrou que o volume de sêmen e a motilidade espermática declinaram gradual e continuamente ao passar dos anos sem um limiar de idade específico.

TABAGISMO E MACONHA
O fumo regular de maconha (mais de uma vez por semana nos últimos 3 meses) reduziu a concentração, contagem total e motilidade de espermatozóides entre homens jovens. Esse efeito foi ainda mais exacerbado quando a maconha foi usada em combinação com outras drogas recreativas. Apesar de ainda não existir uma potencial relação concreta entre tabagismo e infertilidade masculina, evidências disponíveis sobre tabagismo e fertilidade, sustentam a recomendação de deixar de fumar e minimizar a exposição ao fumo do tabaco.

ANABOLIZANTES
O aumento dos níveis de testosterona exógena, resultante do uso de anabolizantes, exerce uma supressão das glândulas endócrinas, causando uma diminuição reversível da produção de espermatozóides, atrofia testicular e infertilidade. Isto pode resultar em azoospermia  transitória com um período de recuperação de até 2 anos.

ÁLCOOL
Embora os efeitos do álcool na função reprodutiva masculina dependam da quantidade ingerida, o volume limiar da bebida que apresenta riscos à infertilidade masculina ainda não foi determinado. Além disso, deve-se ter em mente que, embora a ingestão de álcool e o tabagismo por si só não afetem os parâmetros espermáticos, os dois hábitos juntos parecem exercer um efeito aditivo que poderia alterar os parâmetros da qualidade do esperma.

Nos atentar para a saúde da pessoa que nos envolvemos é uma forma inata de seguir os caminhos da evolução. De alguma forma a melhor qualidade do esperma traduziria uma melhor saúde da sua próxima geração. Os hábitos da vida em geral de um ser humano deveriam ser tão atraentes como dois olhos azuis, ou talvez busquemos através da forma do corpo essa resposta? Hoje sabemos que um corpo rasgado muitas vezes é muito menos saudável que alguém com suas gordurinhas. Será que nossa mente está sendo enganada em detrimento daquilo que sempre acreditou? Sugiro uma análise cuidadosa ….

Salas-Huetos A., Bullo M., Salas-Salvado J. Dietary patterns, foods and nutrients in male fertility parameters and fecundability: a systematic review of observational studies. Hum Reprod Update. 2017;23:371–389.

Afeiche M.C., Gaskins A.J., Williams P.L., Toth T.L., Wright D.L., Tanrikut C. Processed meat intake is unfavorably and fish intake favorably associated with semen quality indicators among men attending a fertility clinic. J Nutr. 2014;144:1091–1098.  [PubMed][Ref list]

Nieschlag E., Vorona E. Mechanisms in endocrinology: Medical consequences of doping with anabolic androgenic steroids: effects on reproductive functions. Eur J Endocrinol. 2015;173:R 47–58.

Lifestyle causes of male infertility, Damayanthi Durairaj Nayagam⁎, Arab J Urol. 2018 Mar; 16(1): 10–20.
Published online 2018 Feb 13. doi:  10.1016/j.aju.2017.12.004

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *