Sabemos que o hábito de fumar carrega consigo muitos malefícios à saúde como o câncer de pulmão, crises de asma, falta de ar, entre outros. Há muito mais efeitos, no cigarro, que prejudicam não só a saúde, mas também a aparência do fumante, principalmente na questão do envelhecimento precoce da pele.

Este quando relacionado à procedimentos cirurgicos põe em risco o pós operatório. O cigarro é um dos maiores inimigos da cirurgia plástica, o problema dele está na nicotina, a toxina provoca a contração dos vasos sanguíneos, o que dificulta a irrigação do sangue  até a pele, com isso compromete a cicatrização e aumenta a as chances de necrose (morte do tecido).

Na preparação pré cirurgia, para aqueles que fumam, é necessário que interrompam o hábito de fumar, no mínimo, por 2 semanas. Este procedimento é documentado no “Termo de Consentimento Informado”  que informa o paciente sobre o que deve fazer e o porquê, antes e após a operação.

Caso o paciente não esteja em condições de operar na data marcada, por conta do descaso com o tempo determinado, o cirurgião plástico pode adiar sua operação até que este se apresente nas condições adequadas.  Com isto, algumas pessoas mentem sobre o tempo que passaram sem fumar, achando que assim elimina um tempo burocrático, quando na verdade se faz necessário para que a operação e pós operação seja realizada com sucesso. Esta interrupção no hábito deve ser feita no momento pré e pós operação para que não haja nenhum tipo de problema em relação a cicatrização.

Além dos danos operatórios, ainda em relação à beleza, o cigarro aumenta o risco de rugas prematuras, deixando qualquer um com uma aparência mais velha, e causa uma outra consequência muito temida por todas as mulheres, a aparição de celulites.

Fica uma dica para você que quer evitar todos esses danos: Cuide-se, zele por sua saúde e sua beleza, deixe de lado o que não te faz bem e tenha uma vida mais jovem.